Mamoplastia de Aumento

Cirurgia estética de aumento das mamas

Esta cirurgia consiste na introdução de prótese de silicone sob o tecido mamário com o objetivo de aumentar o volume das mamas. Com a cirurgia, não só as mamas terão seu volume aumentado, como pode ser melhorada a sua consistência e forma.

O volume do aumento mamário é uma decisão que deve ser discutida com o cirurgião, uma vez que apenas o médico pode avaliar o tamanho de implante que um determinado seio pode acomodar.

A vontade e o desejo da paciente serão levados em máxima consideração. É importante lembrar que esta escolha deve obedecer à norma de harmonia em relação, não só ao tórax da paciente, quanto ao seu físico, como um todo.

Como o implante é colocado por detrás da glândula ou dos músculos do tórax, não irá interferir nem na lactação nem no exame físico ou radiológico das mamas. Não existe nenhuma relação descrita entre aumento de mamas com próteses de silicone e câncer mamário.

Pré-operatório

EXAMES

• Hemograma
• Coagulograma
• Bioquímica: sódio, potássio, glicemia, creatinina
• Eletrocardiograma + Risco Cirúrgico (cardiologista)
• Mamografia e Ecografia de mama

FOTOGRAFIAS

• Pré e pós-operatória.
• Objetiva a avaliação e programação da técnica cirúrgica a ser usada, assim como a comparação do pré e pós-operatório e a documentação científica.

CONSULTA PRÉ-ANESTÉSICA

É importante que, previamente a cirurgia o paciente consulte com o anestesiologista. Essa consulta é importante para o paciente adquirir confiança no procedimento anestésico, bem como informar ao médico possíveis doenças preexistentes e medicações tomadas.

TEMPO DE DURAÇÃO DO ATO CIRURGICO

A média de tempo de duração da cirurgia é de 60 minutos, até 90 minutos, dependendo do caso.

ANESTESIA

Depende das condições de cada paciente podendo variar entre: geral, peridural alta ou local mais sedação.

AMAMENTAÇÃO

Não há comprometimento da amamentação, uma vez que a prótese é colocada abaixo da glândula mamaria.

RISCOS

Todo procedimento cirúrgico, envolve riscos. Os riscos da intervenção cirúrgica, são minimizados com a consulta onde o paciente informa ao médico eventuais problemas de saúde, uso de medicações, fumo, e outros vícios, problemas anestésicos anteriores. Deve-se realizar todos os exames pré-operatórios e consulta pré-anestésica.

GRAVIDEZ

Caso ocorra uma nova gravidez após a cirurgia, o bom resultado da mamoplastia de aumento pode ser preservado pelo controle de peso durante a gestação.

RETRAÇÃO DA CÁPSULA

Em torno da prótese colocada, o organismo forma, naturalmente, uma cápsula. Geralmente a cápsula é fina e imperceptível ao toque. Todavia, há casos em que essa cápsula, pode sofrer um espessamento e uma retração exagerada, promovendo um certo grau de endurecimento a mama, quando palpada.

Sendo essa retração uma peculiaridade de cada organismo, não há como o cirurgião prevê-la, bem como, em tal ocorrência, nenhuma responsabilidade lhe cabe, já que o fato deriva de um comportamento anômalo e individual do organismo da paciente.

As modernas próteses texturizadas ou de Poliuretano tem baixo índice de contratura capsular. Se ocorrer a contratura capsular (endurecimento), a paciente deve retornar ao cirurgião para avaliação e ser orientada quando a conduta a ser tomada.

ORIENTAÇÕES

• As medicações tomadas devem ser do conhecimento do cirurgião.
• Suspender com 10 dias de antecedência: AAS (aspirina, Rhonal, Buferim, antigripais), antinflamatórios, anorexígenos (remédios para emagrecer).
• Não suspender os remédios para doenças crônicas como diabetes, hipertensão e cardiopatias (tomando inclusive no dia da cirurgia).
• O fumo deve ser reduzido 30 dias pré-operatório e 15 dias pós-operatório.
• Jejum absoluto por 6 horas antes da cirurgia (incluindo água).
• Fazer depilação das axilas antes da operação.
• Internar com pelo menos uma hora de antecedência da cirurgia.
• Levar para o hospital todos os exames complementares.
• Levar para o hospital o sutiã elástico e roupas folgadas.
• Não levar jóias para o hospital.
• Em caso de doenças agudas como: gripe, febre, infecções (urinária, ginecológicas, vias aéreas, intestinais ou de pele), devem ser comunicadas ao cirurgião com a máxima antecedência.
• Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros por um período aproximado de duas semanas.
• Se o paciente objetiva emagrecer, é mandatório que o faça previamente à cirurgia.

A respeito da técnica

CICATRIZES

A cicatriz pode localizar-se na aréola, no sulco sub-mamario ou na axila.

Quando existe flacidez e sobra de pele, a cicatriz será semelhante à de uma cirurgia para elevar o seio, em ‘L’ ou ‘T’ invertido ou ‘I’.

A cirurgia plástica não é isenta de cicatrizes, procuramos localizá-las em posições anatômicas inaparentes, uma vez que serão permanentes.

A qualidade das cicatrizes depende de vários fatores como: técnica cirúrgica, cuidados pós-operatórios, hereditariedade, segmento do corpo, idade e qualidade de pele da paciente.

As cicatrizes sofrem um processo de evolução. Em cerca de 24 horas a cicatriz já está impermeável, em uma semana os bordos estão aderidos, (podendo iniciar-se a retirada de pontos). Porém elas permanecerão avermelhadas e endurecidas por vários meses.

.

Do 1º ao 12º mês haverá um espessamento natural da cicatriz e uma mudança na sua coloração, passando do vermelho para o marrom, para, em seguida, começar a clarear. Por ser o período menos favorável de evolução cicatricial, é também o que mais preocupa as pacientes.

Do 12º ao 18º mês a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos espessa até atingir seu aspecto definitivo, portanto qualquer avaliação do resultado definitivo, no que diz respeito à cicatriz, deverá ser feito somente após esse período.

Certas pacientes, em decorrência de seu tipo de pele, podem apresentar uma tendência a cicatrizes hipertróficas ou à formação de quelóide. Dentro do possível essa tendência pode ser prevista durante a consulta inicial, pelo levantamento da vida pregressa da paciente e de suas características familiares. O importante é não confundir o período de cicatrização com complicação cicatricial.

Pós-operatório

A paciente permanecerá internada por 12 hs, podendo receber alta até com 4 hs de pós operatório.

O curativo será feito no ato operatório, e será trocado com 24 hs, sendo substituído por soutien elástico. Ao 3o dia P.O. a paciente retorna para revisão do curativo, e ao 7o dia P.O. inicia-se a retirada dos pontos, que se estenderá até o 21º dia P.O.

O micropore deverá cobrir a cicatriz por 45 a 60 dias, sendo trocado semanalmente. Posteriormente a cicatriz deve ser massageada com creme diariamente (conforme a indicação).

O banho de chuveiro é permitido após 24 hs da alta hospitalar, não sendo necessário trocar os micropores, apenas secá-los bem.

Uma mamoplastia de aumento de evolução normal não deve apresentar dor excessiva e para isso é importante que a paciente obedeça às instruções médicas. Obs: Os implantes colocados na posição submuscular, a dor é mais intensa.

Nas primeiras menstruações seguidas à cirurgia, é frequente a experiência de seios mais aumentados e doloridos que o normal, porém com o passar dos meses essas sensações irão diminuir, assim como desaparecerá a sensação de pequenas agulhadas.

ORIENTAÇÕES

• Não elevar os braços por 15 dias.
• Não dirigir por 15 dias.
• Não fazer esforços físicos por 30 dias. Após esta data, pode-se iniciar caminhadas diárias, em horário onde o sol seja brando. Ginástica, musculação ou natação somente deve ser realizada após 90 dias da operação.
• Devido ao fato de estar se sentindo muito bem, a paciente às vezes pode esquecer-se de que foi operada recentemente, permitindo-se esforços prematuros que poderão trazer prejuízos.
• Usar o soutien elástico por pelo menos 90 dias, sendo ideal completar 180 dias.
• Banho de sol, somente após 30 dias e com o uso de filtro solar com FPS > 20. A exposição direta da cicatriz ao sol (Top Less), somente após 1 ano.
• Atividade sexual após 3 a 4 semanas.
• Antibióticos e analgésicos deverão ser tomados conforme orientação médica.
• Obedecer rigorosamente à prescrição/orientação médica.

Evolução pós-operatória

No 1º mês, em consequência de edema (inchaço) os seios raramente parecem naturais.

Do 1º ao 3º mês a evolução continua, podendo ainda ocorrer um maior ou menor grau de edema.

Do 3º ao 12º mês é o período no qual a mama vai atingir seu aspecto definitivo. Nesse período a mama sofre um “endurecimento”, devido a formação da cápsula ao seu redor, a consistência deve voltar ao normal até o 6º mês.

No resultado final tem grande importância o grau de elasticidade da pele das mamas e o volume das próteses introduzidas, já que o equilíbrio entre ambos é variável de caso para caso. É o momento ideal para a fotografia comparativa entre o pré e pós.

Lembrete importante: toda cirurgia envolve risco e toda intervenção, com finalidades tanto estéticas quanto reparadoras pode necessitar retoques.

Consultar esse folheto informativo tantas vezes quantas se fizerem necessárias para esclarecer e eliminar perfeitamente suas dúvidas. Restando algum questionamento, contatar o cirurgião.