• slide_01.jpg

Abdominoplastia

Abdominoplastia
Cirurgia plástica de abdômen

INFORMAÇÕES GENÉRICAS

Abdominoplastia ou dermolipectomia é a cirurgia plástica do abdome, onde resseca-se o excesso de pele e gordura abaixo do umbigo e trata-se da flacidez dos músculos retos abdominais. Os abdomes que apresentam melhores
resultados são aqueles onde se fazem as menores retiradas, como nos casos de flacidez pós-parto, com
predominância de pele sobre pequena quantidade de gordura localizada.
Pode-se associa-se a lipoaspiração em áreas vizinhas, dependendo da indicação.

 

PRÉ OPERATÓRIO:

Exames:
  • Hemograma
  • Coagulograma
  • Bioquímica: Sódio, Potássio, glicemia, creatinina, SGOT e SGPT.
  • Eletrocardiograma + Risco Cirúrgico (cardiologista)
  • Avaliação com o ginecologista em se tratando de mulheres.
Fotografias:
  • Pré e pós-operatória.
  • Objetiva a avaliação e programação da técnica cirúrgica a ser usada, assim como a comparação do pré e
    pós- operatório e a documentação científica.

Consulta pré-anestésica:

É importante que, previamente a cirurgia o paciente consulte com o anestesiologista. Essa consulta é importante para o paciente adquirir confiança no procedimento anestésico, bem como informar ao médico possíveis doenças preexistentes e medicações tomadas.

Tempo de duração do ato cirúrgico:

  • A cirurgia costuma demorar de duas a duas horas e meia.

Gestação:

  • A cirurgia somente pode ser realizada após 6 meses do trabalho de parto, devido a acomodação dos tecidos.
  • Em princípio o ideal é que a cirurgia seja realizada após a prole estar constituída, pois mesmo tomando os devidos cuidados no controle de peso durante uma gestação certamente o resultado obtido será comprometido. De qualquer forma a paciente somente pode engravidar após um ano da abdominoplastia.

Anestesia:

  • Depende das condições de cada paciente podendo variar entre geral, peridural com sedação.

Riscos:

  • Os riscos da intervenção cirúrgica, são minimizados com a consulta onde o paciente informa ao médico eventuais problemas de saúde, uso de medicações, fumo, problemas anestésicos anteriores. Realiza todos os exames pré-operatórios e consulta pré-anestésica.
  • O paciente fumante sempre apresentará um risco maior de complicações como necrose de pele (perda da vitalidade da pele) e TEP (tromboembolismo pulmonar).

Orientações:

  • As medicações tomadas devem ser do conhecimento do cirurgião.
  • Suspender com 10 dias de antecedência: AAS (aspirina, Rhonal, Buferim, antigripais), antinflamatórios, anorexígenos (remédios para emagrecer).
  • Não suspender os remédios para doenças crônicas como diabetes, hipertensão, cardiopatias (tomar inclusive no dia da cirurgia).
  • O fumo deve ser suspenso ou reduzido drasticamente com 90 dias de antecedência, e suspenso 30 dias pré-operatório e 15 dias pós-operatório.
  • Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros por um período de 2 semanas.
  • Evitar bebidas alcoólicas ou refeições fartas na véspera da cirurgia.
  • Jejum absoluto por 6 hs antes da cirurgia.
  • Internar com pelo menos uma hora de antecedência da cirurgia.
  • Levar para o hospital todos os exames complementares.
  • Levar para o hospital o modelador elástico.
  • Não levar jóias para o hospital.
  • Em caso de doenças agudas como: gripe, febre, infecções (urinária, ginecológicas, vias aéreas, intestinais ou de pele), devem ser comunicadas ao cirurgião com a máxima antecedência.
  • Se o paciente objetiva emagrecer, é necessário que o faça previamente à cirurgia.

A RESPEITO DA TÉCNICA

Cicatrizes:

É importante salientar que a cicatriz da abdominoplastia é definitiva. O paciente deve decidir se a flacidez do seu abdome representa uma deformidade física maior do que a cicatriz resultante. Apenas o paciente poderá tomar essa decisão.    
Procuramos localizar a cicatriz em posições anatômicas inaparentes, uma vez que serão permanentes.
Em forma de arco, a cicatriz  localiza-se acima da púbe, atingindo as cristas ilíacas, podendo variar o tamanho conforme o volume do abdome. Hoje procura-se localizá-la dentro do traje de banho tipo biquíni.
Haverá também uma cicatriz na região umbilical, que será transplantado e se necessário remodelado.
A qualidade das cicatrizes depende de vários fatores como: técnica cirúrgica, cuidados pós-operatórios, hereditariedade, segmento do corpo, idade, qualidade de pele da paciente.
As cicatrizes sofrem um processo de evolução. Em cerca de 24 horas a cicatriz já está impermeável, em uma semana os bordos estão aderidos (podendo iniciar-se a retirada de pontos). Porém elas permanecerão avermelhadas e endurecidas por vários meses, e posteriormente tornar-se-ão macias e adquirirão a cor da pele.
As cicatrizes têm uma evolução muito lenta.
No 1º mês poderá haver certa reação aos pontos e  ao curativo.
Do 1º ao 8º mês, haverá um espessamento normal da cicatriz, bem como mudança de tonalidade, que passa para o  vermelho depois para o marrom e aos poucos vai clareando. Esse é o período menos favorável da cicatrização e o que mais preocupa a paciente.
Do 8º ao 18º mês a cicatriz torna-se mais clara e menos consistente, atingindo seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, deverá ser feita após esse período.

 

PÓS-OPERATÓRIO

  • São colocados dois drenos, que serão exteriorizados pela região pubiana e deverão ser retirados em 24 ou 48hs, período em que o paciente permanecerá internado.
  • O curativo será feito no ato operatório, e será trocado com 24 hs, sendo substituído pelo modelador elástico. Ao 5o  dia P.O. o paciente retorna ao consultório para revisão do curativo, e ao 10o dia P.O. inicia-se a  retirada dos pontos, que se estenderá até o 21º dia P.O.
    O micropore deverá cobrir a cicatriz por 45 a 60 dias, sendo trocado semanalmente.  Posteriormente a cicatriz deve ser massageada com creme diariamente (conforme a indicação).
  • O banho de chuveiro é permitido após 24 hs da alta hospitalar, não sendo necessário trocar os micropores,  apenas secá-los bem. O curativo do umbigo deve ser trocado diariamente após o banho, onde seca-se e aplica-se solução anti-séptica e cobre-se com gaze seca.
  • Em cerca de 10% dos pacientes há acúmulo de líquido (seroma) na área descolada, que será facilmente aspirada através de uma punção no consultório. Este procedimento é indolor.
  • Por causa do edema pós-operatório, além do uso de curativo volumoso, seu abdome, durante os primeiros trinta dias, estará maior que no pré-operatório. Isso não deve ser motivo de ansiedade, já que constitui evolução natural.
  • Nos primeiros meses é normal que o abdome apresente uma insensibilidade, além de estar sujeito a períodos de edemas (inchaço), o que regredirá espontaneamente.     
    É importante lembrar que não é a quantidade em ‘quilos’ que determina o resultado, mas a forma conseguida.
  • Outra observação importante a fazer é com relação à estrias preexistentes. Muitas vezes não é possível fazer uma retirada completa das estrias ocasionadas pelas gestações. As estrias situadas acima da cicatriz umbilical serão tracionadas para baixo mas permanecerão, ainda que em nova posição.

 

Orientações:

  • Observar repouso relativo em casa.
  • Voltar ao consultório para troca de curativos, nos dias e horários marcados.
  • Alimentação normal. Valorizar a ingesta de frutas, legumes e verduras, assim como alimentos ricos em fibras (cereais), para facilitar o trânsito intestinal
  • Deve-se deambular em semi-flexão do tronco e dormir com os joelhos elevados por 1 semana à 10 dias.
  • Não dirigir ou fazer esforços físicos por 30 dias. Após esta data, pode-se iniciar caminhadas diárias, em horário onde o sol seja brando. Ginástica, musculação ou natação somente deve ser realizada após 90 dias da operação.
  • Usar o modelador elástico por pelo menos 90 dias.
  • Banho de sol, somente após 60 dias e com o uso de filtro solar com FPS > 20. A exposição direta da cicatriz ao sol, somente após 1 ano da cirurgia.
  • Usar roupas folgadas, para não comprimir o abdome.
  • A massagem  deve ser realizada após o 7o dia P.O., iniciando-se de maneira suave, desta forma melhora-se o edema, caso não ocorra acúmulo de líquido (seroma).
  • Atividade sexual após 3 a 4 semanas.
  • Em caso de pacientes muitos obesos, ou quando o procedimento cirúrgico for associado a uma lipoaspiração, é comum que ocorra a eliminação de um liquido amarelado em um ou mais pontos da cicatriz, o que costuma acontecer após o 8º dia, todavia, esse tempo pode variar de paciente para paciente. É a lipólise (destruição da gordura).
  • Obedecer rigorosamente à prescrição/orientação médica.

Lembrete importante: toda cirurgia envolve risco e toda a intervenção com finalidades tanto
estéticas quanto reparadoras pode necessitar retoques.

Consultar este folheto informativo tantas vezes quantas se fizerem necessárias para esclarecer e eliminar perfeitamente suas dúvidas. Restando algum questionamento contatar o cirurgião.

icon-foneFone/Fax: (41) 3339-6009
icon-fonewhatsapp  (41) 99659-0909
icon-localeRua Martim Afonso, 1363  |  Champagnat  |  Curitiba - PR  |   Brasil  |  CEP: 80730-030